Árvores

Árvores negras que falais ao meu ouvido,

Folhas que não dormis, cheias de febre,

Que adeus é este adeus que me despede

E este pedido sem fim que o vento perde

E esta voz que implora, implora sempre

Sem que ninguém que lhe tenha respondido?

Sophia de Mello Breyner Andresen

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *