Qual a Resolução do olho Humano

É possível calcular a resolução do olho humano? 

Pode ser comparada com a resolução de uma câmera DSLR ou uma fotografia?                                                    

           

Quando não somos fotógrafos altamente especializados, vamos ter sempre um problema: vemos algo à nossa volta, achamos que poderia dar uma fotografia fabulosa, e quando tiramos com o nosso smartphone ou câmara DSLR percebemos que o que vemos não se reflete na imagem que tirámos.

Não podemos comparar uma câmara com o olho humano, como se fossem iguais, simplesmente porque não são a mesma coisa, a começar pelo facto de que os mecanismos utilizados para capturar imagens são totalmente diferentes.

A câmara sempre capturará uma imagem estática, enquanto os olhos (que é também como se tivéssemos duas lentes em vez de uma, como com as câmaras) movem-se, olham tudo ao redor de uma cena, ajustam-se drasticamente dependendo do ambiente e têm no cérebro um aliado para poder formar a imagem. Se quisermos comparar o olho humano com uma câmara, esta deveria de ser como uma câmara de vídeo, no sentido de que está sempre a recompilar informações e não fixa como uma câmara fotográfica.

No entanto, com a informação científica que temos sobre os nossos olhos, poderíamos calcular qual é a sua resolução. Mas, primeiro, precisamos entender muito bem o que significa “resolução da imagem”.

O que é resolução da imagem?

A resolução serve para indicar a quantidade de detalhe que há numa imagem. Para descrever a resolução são usados dois números inteiros, onde o primeiro explica o número de colunas de pixels e o segundo dá o número de filas de pixels. Assim, por exemplo, quando compramos um monitor e dizemos ter uma resolução de 1600×1200, está indicando que tem 1600 colunas de pixels e 1200 linhas de pixels. Da mesma forma, se tiramos uma fotografia que tem 1600×1200 de resolução, sabemos quantos megapixels tem a câmara multiplicando ambos os números. Neste caso, ele nos dará 1.920.000 pixels, o que significa que a câmara é de 1,92 pixels.

 Por que não se pode medir a resolução do olho humano com precisão

O problema com essas resoluções, quer seja de uma tela ou de uma fotografia, é que podem ser medidas com precisão porque consistem em imagens estáticas. Por exemplo, quando comprou o seu monitor de 1600×1200 pixels de resolução, estes estão dentro de um quadro de 23 polegadas, o que faz a resolução ser específica e completamente fixa, eliminando a possibilidade de aumentar a resolução usando o mesmo monitor.

Por estas razões, o olho humano não pode ter uma resolução exata, porque a nossa visão não está presa numa imagem fixa. Pelo contrário, podemos mover os olhos para os lados, para cima e para baixo, criando um campo de visão muito maior e com diferentes graus de inclinação e, além disso, também podemos mover a cabeça em várias direções para capturar mais imagens.

Cálculo aproximado da resolução do olho humano

Embora não possamos ter uma resposta exata, usando alguns dados já conhecidos sobre o olho humano médio, poderíamos pro mediar uma resolução. Vamos começar com o facto de que a retina tem cerca de cinco milhões de cones que são responsáveis pela visão em cores. Com essas informações, você poderia dizer que temos 5 megapixels de resolução, certo?

Na verdade, não: também devemos levar em conta os 100 milhões de bastões que detectam contraste monocromático, o que é extremamente importante para a nitidez da imagem que está a ver. Chegamos agora a 105 megapixels, um número que continua a subestimar os nossos olhos porque não se trata de uma câmara que capta imagens estáticas.

Não podemos deixar de fora o mais importante, o movimento dos olhos. Cada um pode 

mover-se horizontalmente uma média de 120 graus e, na vertical, uma média de 60 graus. Segundo Clarkvision cada pixel é cerca de 0,3 arcmin (minuto sexagesimal ou de arco), e depois de algumas operações matemáticas que incluem o movimento médio em graus de cada olho, e minutos de arco, podemos concluir que os olhos humanos têm em torno de 576 megapixels de resolução.

Ainda falta muito, para que consigamos ter um padrão comparativo mínimo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *