Daguerre

Em 7 de janeiro de 1839, membros da Académie des Sciences da França mostraram produtos de uma invenção que mudaria para sempre a natureza da representação visual: a fotografia. As imagens incrivelmente precisas que viram foram fruto do trabalho de Louis-Jacques-Mandé Daguerre, nascido a 18 Novembro 1787, pintor e impressor romântico mais famoso até então como o proprietário do Diorama. Um espetáculo parisiense popular com pintura teatral e efeitos de iluminação. Cada daguerreótipo (como Daguerre apelidou de sua invenção) era uma imagem única numa folha de cobre banhada a prata altamente polida.

 

A invenção de Daguerre não nasceu plenamente, embora em 1839 possa ter parecido assim. Na verdade, Daguerre procurava desde meados da década de 1820 um meio de capturar as imagens fugazes que via na sua câmara obscura. Em 1829, formou uma parceria com Nicéphore Niépce, que estava a trabalhar no mesmo problema – como fazer uma imagem permanente usando luz e química onde veio a alcançar resultados primitivos, mas reais, já em 1826. Quando Niépce morreu em 1833, os parceiros ainda tinham que apresentar um processo prático e confiável.

 

Somente em 1838 as experiências continuadas de Daguerre progrediram ao ponto de serem mostradas como exemplos do novo meio para artistas e cientistas. François Arago, notável astrônomo e membro da legislatura francesa, estava entre os admiradores mais entusiastas da arte. Ele tornou-se defensor de Daguerre tanto na Académie des Sciences quanto na Chambre des Députés. Daguerre tinha problemas financeiros e não conseguiu obter o apoio de industriais por querer manter secreta a parte fundamental do seu processo. Após um incêndio no seu diorama a 8 de março de 1839, ficou acordado uma pensão anual de 4000 francos para Daguerre e Isidore Niépce (herdeiro de Joseph Nicéphore Niépce) acrescidos de mais 2000 francos para Daguerre pelos “segredos do diorama”.

Somente em 19 de agosto de 1839, o processo revolucionário foi explicado, passo a passo, antes de uma sessão conjunta da Académie des Sciences e da Académie des Beaux-Arts, com uma multidão ansiosa de espectadores transbordando para o pátio externo. Porém Daguerre patenteou o processo tornando-se o seu autor.

Em 1839, ele foi eleito na Academia Nacional de Design como membro honorário.

Desde o momento do seu nascimento, a fotografia tinha um caráter dual – como meio de expressão artística e como uma poderosa ferramenta científica – e Daguerre promoveu a sua invenção em ambas as frentes.

Daguerre morreu em 10 de julho de 1851 em Bry-sur-Marne, a 12 km de Paris onde um monumento em sua homenagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *